Arquivos

Votação
 Dê uma nota para meu blog

Outros links
 Ivam Cabral
 Fernanda D´Umbra
 Mario Bortolotto
 Sergio S Coelho
 Jarbas Capusso
 Laerte Kessimos
 Nelson Peres
 Alberto Guzik
 Lenise Pinheiro e Nelson de Sá
 Cléo de Páris




TEATRO EXPANDIDO (AUGMENTED THEATER) - Rodolfo García Vázquez
 


Os novos tempos

As coisas estão mudando:

 

- Barack Obama se reune com os executivos das grandes redes sociais. Agora, além dos três poderes + um, temos o quinto poder: o poder das redes sociais. O que isso vai significar exatamente para o futuro do homem digital?

- O Brasil democrático e popular exportou algumas das máquinas de guerra usadas por Gadafi para impor restrições aos protestos na Líbia. Estamos aprendendo bem o cinismo natural das potências.

 

 



Escrito por Rodolfo às 09h15
[] [envie esta mensagem
] []





O que significa conviver com a esquizofrenia

O primeiro surto do meu tio, irmão da minha mãe, foi na época em que eu nasci.

Meus avós tentaram todos os tratamentos possíveis, da medicina tradicional aos medicamentos, dos eletrochoques até a macumba, espiritismo e outras derivações. Tudo para tentar recuperar a sanidade de um jovem que até seus vinte e poucos anos era diferente, mas convivia socialmente.

Ele foi uma presença fundamental da minha infância, um marco cotidiano no mundo fantástico de uma criança. Das lembranças de brincadeiras que fazíamos com ele, dos ataques de cólera, dele andando pela rua e beijando pés de pessoas e pneus de carros. Da vergonha que sentíamos, do mundo isolado e fascinante onde ele vivia só. Das internações e dos relatos dos efeitos dos eletrochoques sobre ele.

Também me lembro do sofrimento dos meus avós, da esperança sempre retornando de que ele um dia talvez quem sabe pudesse se recuperar. Uma esperança que era destruída instantaneamente após o primeiro agradecimento a tudo o que o clero brasileiro  e o papa haviam feito por ele.

E ainda havia a mulata pela qual ele era apaixonado, e que ele até hoje diz que vai reencontrar e de como vai ser incrível a cerimônia de casamento dos dois, e de quantos filhos eles vão ter juntos.

Dias atrás, após mais um dos seus delírios intermináveis, me vieram os pensamentos tortuosos de como ele foi fundamental para que eu acabasse por ver a humanidade da forma que vejo.

Há qualquer coisa de solitário em tudo e em todos. Esse sentimento de que nada se encaixa eternamente percorre meus dias, de que sempre existe um pedaço de tudo que nunca estará completo, parece vir dele, do mundo dele.

Também está presente em mim essa fatalidade, um certo espírito trágico que me persegue: existem escolhas que jamais seremos capazes de escolher.

Talvez em uma breve ilusão, possamos pensar que decidimos banalidades, como se vou comprar maçã ou abacaxi hoje, ou se vou dormir agora ou em meia hora.

Mas as coisas fundamentais, que estão muito além de nós e dizem muito do que somos, sem que nunca possamos nem de leve entender de onde vem; essas coisas jamais serão tocadas.

 

 

 



Escrito por Rodolfo às 01h24
[] [envie esta mensagem
] []



 
  [ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]