Arquivos

Votação
 Dê uma nota para meu blog

Outros links
 Ivam Cabral
 Fernanda D´Umbra
 Mario Bortolotto
 Sergio S Coelho
 Jarbas Capusso
 Laerte Kessimos
 Nelson Peres
 Alberto Guzik
 Lenise Pinheiro e Nelson de Sá
 Cléo de Páris




TEATRO EXPANDIDO (AUGMENTED THEATER) - Rodolfo García Vázquez
 


10 lembranças do decadente Império Americano

 

10 lembranças do decadente Império Americano:

- a bandeira americana tremula orgulhosa em milhares de residências, repartições e lojas. Uma exibição nacionalista e altamente beligerante, prova inequívoca da vocação do país.

- a natureza  é absolutamente-ecologicamente  apaziguada e higienizada. Sai a feroz luta pela sobrevivência e entra a imagem do rato Mickey tranqüilo e cheio de virtudes.

- o jogo das identidades transforma sujeitos livres em papéis sociais. O que se espera de cada um é o que a sua identidade afirma. O negro assume-se negro e desempenha o papel de negro, etc.

-a natureza assume formas de mercado. Todas as laranjas da Flórida são igualmente saborosas, e seus tamanhos variam no máximo 10% entre si, dentro de padrões de qualidade industriais.

- os republicanos odeiam a interferência do Estado em suas vidas econômicas, mas adoram que este interfira em suas vidas ideológicas – Quanto mais cristão o Estado for, melhor!

- Lyotard virou piada: as atuais grandes narrativas dividem o país internamente, provocam as guerras, separam famílias, inibem o avanço da ciência.

- Crioulo é a maior contribuição genuinamente brasileira ao vocabulário globalizado. Crioulo – escravo negro nascido no Brasil, natural do país, em oposição aos escravos vindos da África

- A Disney é uma cópia esvaziada e kitsch do que deveria ser o Belo, para o sucesso do Capital. Atrás do Castelo de Isopor da Bela Adormecida, rios de dinheiro.

- No perigo dos dublês é que se pode ver o genuíno espírito americano.

- A indústria da alimentação enche pacotes e pacotes imensos de comida pré-fabricada, cheia de conservantes químicos, compostos anti-naturais. Os mais pobres compram felizes. E ficam doentes. Em seguida, a indústria farmacêutica vende todos os remédios para recuperar a saúde de todos. E os mais pobres compram felizes...até a morte ainda mais pobre (e sem atendimento médico).



Escrito por Rodolfo às 00h24
[] [envie esta mensagem
] []



 
  [ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]